03/03/2020

Dobras Cutâneas - Localizações Anatômicas e Procedimentos

Dobras Cutâneas - Localizações Anatômicas e Procedimentos

A estimativa da composição corporal por meio de medidas antropométricas utiliza medidas relativamente simples como massa, estatura, perímetros, diâmetros ósseos e espessura de dobras cutâneas. Quando o objetivo é estimas somente a porcentagem de gordura corporal, as medidas mais utilizadas são as de dobras cutâneas. 

A lógica para a medida das dobras cutâneas baseia-se no fato de que aproximadamente metade do conteúdo corporal total da gordura fica localizada nos depósitos adiposos existentes diretamente debaixo da pele. Essa gordura localizada está diretamente relacionada com a gordura total. Sendo que Lohman também afirmou que um dos meios mais práticos para a avaliação da composição corporal é o uso das dobras cutâneas, isso porque 50 a 70% da gordura corporal está localizada subcutaneamente, e algumas dobras cutâneas têm mostrado relação com a adiposidade corporal total.

A literatura especializada menciona a existência de aproximadamente 93 possíveis locais anatômicos onde a medida de uma dobra cutânea pode ser realizada. Está claro que a utilização de tantas medidas tornaria este método extremamente demorado e inaplicável no dia-a-dia; por isso, na maior parte dos protocolos, utiliza-se de dois a nove locais de medidas. 

As dobras cutâneas que aparecem com maior frequência na literatura e que atendem às necessidades da grande maioria das equações preditivas de gordura corporal são: tríceps (TR), subescapular (SB), bíceps (BI), axilar média (AM), torácica ou peitoral (TX), supra-ilíaca (SI), supra-espinal (SS), coxa (CX) e panturrilha medial (PM). 

Quanto aos procedimentos para as medidas de espessura de dobras cutâneas, elas devem sempre ser realizadas no hemicorpo direito do avaliado, utilizando o dedo indicador e o polegar da mão esquerda para diferenciar o tecido celular subcutâneo do tecido muscular. Aproximadamente um centímetro abaixo do ponto de reparo pinçado pelos dedos devem ser introduzidas nas pontas do compasso / adipômetro. Para execução da leitura, deve-se aguardar em torno de dois segundo após o compasso / adipômetro ter sido solto por completo. É importante observar se as hastes do compasso / adipômetro estão perpendiculares à superfície da pele no local da medida. 

Devido a variabilidade das medidas de dobras cutâneas, devem ser executadas três medidas não consecutivas de cada dobra escolhida, ou seja, são medidas e anotadas todas as dobras cutâneas, em seguida repete-se a operação e ao final, mais uma vez. O objetivo deste procedimento é evitar que "viciemos" as medidas, o que nos faz encontrar três valores iguais, ou muito próximos, quando executamos as medidas consecutivamente no mesmo ponto de reparo. Também para evitar a influência do avaliador sobre as medidas, é interessante poder contar com um anotador. 

Quando encontramos diferença superior a 5% entre a menor e a maior medida encontrada no mesmo ponto de reparo, devemos realizar uma nova série de medidas. Além desse cuidado, será adotada a mediana das medidas obtidas em cada local, para que os valores extremos sejam eliminados. 

Existem diferentes padronizações para as medidas de dobras cutâneas, sendo que não há uma forma mais correta que as outras para se medir as dobras cutâneas. O importante é utilizar sempre a mesma padronização para que possam ser feitas comparações ao longo do tempo. quando se trabalha com equações de predição de gordura corporal, deve-se medir as dobras cutâneas seguindo rigorosamente a padronização proposta pelo autor da referida equação.

A seguir veremos a descrição das medidas de dobras cutâneas da forma que são utilizadas com maior frequência, bem como algumas variações nestas medidas, conforme propostas por diferentes autores.

Dobra Cutânea Tricipital
É medida na face posterior do braço, paralelamente ao eixo longitudinal, no ponto que compreende a metade da distância entre a borda súpero-lateral do acrômio e o olécrano.


Dobra Cutânea Subescapular
A medida é executada obliquamente em relação ao eixo longitudinal, seguindo a orientação dos arcos costais, sendo localizada a dois centímetros abaixo do ângulo inferior da escápula.


Dobra Cutânea Axilar Média
É localizada no ponto de intersecção entre a linha axilar média e uma linha imaginária transversal na altura do apêndice xifóide do esterno. A medida é realizada obliquamente ao eixo longitudinal, segundo PETROSKI (1995), e transeversal segundo JACKSON et alii (1978), com o braço do avaliado deslocado para trás, a fim de facilitar a obtenção da medida.


Dobra Cutânea Biciptal
É medida no sentido do eixo longitudinal do braço, na sua face anterior, no ponto de maior circunferência aparente do ventre muscular do bíceps. 


Dobra Cutânea Torácica
É uma medida oblíqua em relação ao eixo longitudinal, na metade da distância entre a linha axilar anterior e o mamilo, para homens, e a um terço da linha axilar anterior, para as mulheres.

             


Dobra Cutânea Supra-Ilíaca
É obtida obliquamente em relação ao eixo longitudinal, na metade da distância entre o último arco costal e a crista ilíaca, sobre a linha axilar média. É necessário que o avaliado afaste o braço para trás para permitir a execução da medida.


Dobra Cutânea Supra-Espinhal
Essa dobra é utilizada no calculo do somatotipo de Heath-Carter. Ela é medida 5 a 7 cm acima da espinha ilíaca anterior, na intersecção entre uma linha horizontal na altura do ponto íleo-cristal e uma linha oblíqua proveniente da borda axilar anterior, destacada num ângulo aproximado de 45º.


Dobra Cutânea Abdominal
É medida aproximadamente a dois centímetros à direita da cicatriz umbilical, paralelamente ao eixo longitudinal; exceto segundo proposta de LOHMAN (1988), que realiza a medida transversalmente.


Dobra Cutânea da Coxa
É medida paralelamente ao eixo longitudinal, sobre o músculo reto femural, a um terço da distância do ligamento inguinal e da borda superior da patela, segundo proposta de GUEDES (1985), e na metade desta distância, segundo POLLOCK E WILMORE (1993). Para facilitar o pinçamento desta dobra, o avaliado deverá deslocar o membro inferior direito à frente, com uma semiflexão do joelho, e manter o peso do corpo no membro inferior esquerdo.


Dobra Cutânea da Panturrilha Medial
Para execução desta medida, o avaliado deverá estar sentado, com a articulação do joelho em flexão de 90º, o tornozelo em posição anatômica e o pé sem apoio. A dobra é pinçada no ponto de maior perímetro da perna, com o polegar da mão esquerda apoiado na borda medial da tíbia.